quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Segunda etapa das férias

Minha previsão de atualizar dia 08 ou 09 não pode ser cumprida pois fiquei até ontem sem internet! No dia 1º já estava complicado, a conexão ia e vinha, mas não pensei que ia chegar e encontrar tudo parado! Eu ligava para a OI e eles tentavam resolver à distância sem sucesso até que veio um técnico, olhou os cabos aqui dentro de casa, nada de anormal. E eu enchendo o saco deles ligando todos os dias... ontem veio um técnico que, mesmo sem ser tarefa dele, subiu no poste e viu que o fio estava frouxo, quase arrebentando. Ele fez uma “gambiarra” e resolveu o problema. Agora estamos esperando que venham mudar o fio pois esse já está “por um fio”! Espero que o vento (antigamento agosto era o mês da ventania; depois passou a se estender até setembro e esse ano, ela não quer nos deixar!) colabore e não arrebente antes do técnico vir fazer o serviço!

Vamos as novidades desse 2º período de férias: Cidades Históricas de MG

Apesar de ter ficado muito cansada na excursão do ano passado e dito que não faria mais essas saídas para várias cidades, não resisti a retornar às cidades históricas. Não tenho mais estrutura física para essa “pegada”, e isso não tem nada a ver com idade nem excesso de peso pois desta vez fomos num grupo da Terceira Idade, várias pessoas acima do peso e com muito mais fôlego que eu.
 
 
imagem Google


Saímos de Araruama pontualmente às 6h do dia 02/10, com destino à São João Del Rey.
Muitas pessoas no grupo já se conheciam(costumam viajar com a AdaltonTour) e a nossa foi a primeira viagem com eles. Ao me acomodar na poltrona, ouço uma voz familiar: Jader meu colega de trabalho no INSS acompanhado da esposa. Além de nós dois haviam outros quatro novatos no grupo. Bastou as primeiras brincadeiras para que o grupo ficasse coeso.
Ônibus confortável, motorista cauteloso, mas a viagem longa... Só às 14h chegamos a nosso destino e fomos direto almoçar. Eu já estava com dor de cabeça... não aceitei o lanche servido no ônibus acreditando que no máximo às 13h estaríamos almoçando. A visita guiada por São João Del Rey e Tiradentes atrasou devido o almoço ter se alongado (buffet farto com delícias mineiras, quem consegue comer rapidinho e não repetir?). Igrejas e museus fecham às 17h, já passava das 15h e o guia optou pela Igreja de São Francisco de Assis, a maior e mais bonita da cidade. Após a visita saímos rumo à Tiradentes, onde também só foi possível conhecer a Igreja de Santo Antônio de Pádua, toda folheada à ouro. Só estavam esperando nosso grupo sair para fechar as portas. Descemos a rua passando pela casa onde Tiradentes passou a infância aos cuidados de Pe. Toledo e apreciando os detalhes do casario colonial ouvindo a explanação de nosso guia. Saímos de Tiradentes já ao por do sol, com destino à BH. O hotel (muito confortável) ficava dentro da cidade e ficamos sujeitos ao trânsito urbano. Chegamos ao hotel quase 22h, exaustos só querendo banho e cama.

03/10: horário de saída 8h. Banho, café e, pontualmente, estrada! Seguimos com destino à Sete Lagoas. Aqui cabe um parênteses: não sei se as estradas não estão boas ou se nosso motorista foi cauteloso demais... eu já tinha feito esse trajeto BH - Sete Lagoas em carro de passeio e a distância não era tanta... Chegamos às 10:30h e, mais uma vez, das “sete lagoas”, só conhecemos a que fica no centro da cidade: Lagoa do Paulino. Aí fica uma pergunta que não quer calar: as outras 6 lagoas existem mesmo ou são apenas lenda urbana? rs...rs...rs... Existem sim! Eu vi o mapa turístico e a funcionária do Centro de Informações Turísticas disse que para conhecer todas é necessário passar o dia na cidade.
Em Sete Lagoas existe uma atração turística que deve ser visitada (estava interditada para reparos) que é a Gruta Rei do Mato. Eu conheci quando fiz esse passeio em setembro de 1999. Eu ainda voltarei à Sete Lagoas para rever Rei do Mato e conhecer todas as sete lagoas! Pode me esperar!
Às 11:15h saímos rumo à Cordisburgo para a visita à Gruta do Maquiné (eu sempre disse “de” Maquiné, mas é “do” Maquiné que foi um explorador de grutas, o primeiro a entrar na gruta que recebeu seu nome!) Chegamos aproximadamente às 12:45h, almoçamos e seguimos com o guia para a gruta. A entrada é ladeada de belos jardins e a aproximação já é de tirar o fôlego. No grupo, uma xará: Tetê! Ela estava com medo de entrar e se sentir sufocada. Conversamos sobre minha primeira visita e ela se sentiu mais segura para entrar. Estava em companhia da filha que se dispôs a voltar com ela caso não se sentisse bem.
O guia experiente, fez sua primeira visita à gruta ainda pequeno, reuniu o grupo no 1º salão, de costas para a entrada, para uma climatização de olhos e respiração. Ali contou muitas histórias, mostrou obras de vandalismo e começamos a andar observando as diferentes rochas, colorações que não são percebidas nas fotos e formas que, alimentadas pelo sombreado, nos levam a imaginar as mais incríveis imagens. E assim, fomos descendo, sem perceber que nos dirigíamos ao centro da terra... (calma Tetê... menos... não vamos assim tão longe! rs...rs...rs....) Minha xará e a filha (Lygia que já é minha facefriend!) foram próximas à nós e ao guia. (detalhe que eu não falei: era um grupo da Terceira Idade. Os caçulas éramos eu, Mô, Lygia, Jader e a esposa. Se para nós já foi uma visita puxada, para os mais idosos, mais puxada. Mas é uma questão, também, de preparo físico pois idosos que caminham e fazem atividade física regular tiram de letra, viu?) e eu perguntava: “E aí xará, está gostando?” E ela só repondia: “Lindo... lindo!” São 7 salões e no último o cansaço já é visível. O guia mesmo nos deixa sentar um pouco para ouvir a explanação final. O retorno é pelos mesmos corredores da ida, mas acredite, a gente vê coisas que não tinha visto antes... é fantástico! Foram quase 2 horas dentro da gruta. Cansativo? Sim! Mas no meu parecer ninguém deveria morrer sem ter conhecido a Gruta do Maquiné. As fotos não mostram toda a sua beleza e as palavras não conseguem contar o encantamento visual e a energia que vibra naquele lugar.
Deixamos Maquiné rumo à Ouro Preto. No caminho, passando por BH, a rodovia estava completamente congestionada (hora do rush) e ficamos um bom tempo presos ali. Chegamos à Pousada do Arcanjo (Miguel, claro!) por volta das 21h. (A pousada é divina! Por fora, colonial e rústica. Por dentro com toda a modernidade que se faz necessário. Apartamentos confortáveis... e carro para levar e trazer do centro histórico. Tudo de bom!) Outro dia exaustante que fechamos com um sanduiche, banho e berço!

04/10: dia livre em Ouro Preto! Relax! Relax? Relax...
Tomamos café(Jesus me abana... comi um pedacinho de cada pãozinho recheado e de cada doce...) e saímos no primeiro carro da pousada - 9h. Fomos direto à Secretaria de Turismo. Eu levei um mapa do centro histório com os principais pontos marcados mas achei que indo à Secretaria de Turismo teria mais informações e dicas. Mas o funcionário que nos atendeu não ajudou muito e quase que nos atrapalhou pois nos deu um mapa muito confuso... eita!
No largo em frente à Secretaria estava a Igreja de São Franciso de Assis e a missa estava começando. No dia dele, não podíamos ignorar, né? Participamos da missa. Dali do largo, descendo uma ladeira íngrime (merecia receber um corrimão, sabia?) chegaríamos à Casa dos Inconfidentes e a uma igreja (gente é uma infinidade de igrejas e não é possível guardar todos os nomes...). Já seria um risco descer... subir então... Não fomos! Como não sabemos andar entre as ruas(leia-se ladeiras) pelos becos(leia-se escadas) fizemos da Pça. Tiradentes nosso marco de chegada e saída. Aqui cabe mais um parênteses: esse andar pelos becos(escadas) de uma rua para outra, na região eles falam “cortar as ladeiras”, e é um quebra galho mesmo!
Subimos o fluxo do trânsito em direção à uma igreja cujo pátio serve de mirante (N. Sra do Pilar, eu acho...) onde tiramos muitas fotos. De lá localizei um dos pontos que marquei para visitar: o Museu do Oratório. Sou apaixonada por oratórios e ainda bem que fui até lá. Uma pena não poder tirar fotos... oratórios majestosos folheados a ouro e outros minúsculos esculpidos até em bala de espingarda... lindos! Esse museu fica ao lado da Igreja de Nossa Senhora do Carmo cujo pátio também é um mirante! Voltamos à Pça. Tiradentes para visitar as lojas de artesanato e pedras semi preciosas. Almoçamos e seguimos para o Teatro Municipal. Só desci ela ladeira pela minha mãe... ela, na juventude, ia muito à Ouro Preto e ficava na casa da tia de uma amiga(anos depois se tornaram comadres) e ela estava curiosa por rever aquela casa: duas casas abaixo do Teatro Municipal, ela nos indicou. Pedi aos anjos prá me segurarem, firmei no braço do Mô e fomos descendo. Visitamos o Teatro Municipal que ainda realiza espetáculos e, em frente a casa da “tia Elisa” liguei prá minha mãe e tive que responder à muitas perguntas...
Subimos de volta à Pç. Tiradentes e visitamos o Museu da Inconfidência e ao sair por volta das 17h, encontramos o centro histórico todo engarrafado... último dia de campanha política, carros de som, comícios, loucura total! Chamamos o carro do hotel e ele foi nos buscar. Tomaos o café da tarde (que é servido das 17h às 19h), tomamos banho e o sono tomou conta de nós!

05/10: tomamos café da manhã e fomos para o passeio de trem de Ouro Preto à Mariana. O passeio dura 1 hora +ou- e o percurso é lindo! Chegando à Mariana o guia já estava nos esperando e iniciamos a visita passando pela Rua Direita, observando o casario, inclusive um sobrado revestido com pedra sabão. Belíssimo!
Subimos até a Pç. Minas Gerais onde está o principal conjunto arquitetônico da cidade: as igrejas de São Francisco de Assis e Nossa Senhora do Carmo,o pelourinho e a Casa de Câmara e Cadeia.
Almoçamos e fomos visitar a Catedral da Sé e o Museu Arquidiocesano de Arte Sacra. Cada igreja e cada museu tem a sua peculiaridade e sempre nos encanta! Uma pena que não se possa fotografar ou filmar!
No retorno de Mariana à Ouro Preto, paramos numa fábrica de artesanato em pedra sabão e pedras semi preciosas. Quem já tinha comprado nas lojas e/ou feirinha se resgou de raiva ao ver os preços! Tudo muito mais barato... eu tinha me apaixonado por uma saboneteira em pedra sabão, o preço na loja era R$25,00. Mô ainda insistiu que eu comprasse mas resisti e não comprei. Entrei na fábrica e só tinha olhos para as saboneteiras... sabe quanto eu paguei na mesma saboneteira? R$ 7,00! YES!
Chegando em Ouro Preto, ainda deu tempo de visitar a Igreja de São Francisco de Paula cujo o pátio também é um mirante de boa parte da cidade. As ladeiras são puxadas, mas a vista é sempre deslumbrante! Vale a pena o esforça da subida! De volta ao hotel, banho e berço!

06/10: último dia de viagem. Saímos às 8h rumo à Congonhas, percurso de 2h +ou-. De repente, o trânsito parou! De onde estávamos não tínhamos idéia do que estava acontecendo. Um motoqueiro que conseguiu passar no sentido contrário avisou: uma carreta de bananas tombou atravessada fechando as duas pistas! Até que a pista fosse limpa lá se foram aproximadamente 3 horas! Nossa visita à Basílica do Senhor Bom Jesus de Matosinhos estava marcada com o guia para às 10h e só chegamos à cidade 12:30h +ou-. Fomos almoçar e mesmo sem guia fomos até o belíssimo conjunto arquitetônico composto pela basílica, a escadaria ornada pelos 12 profetas em pedra sabão e no pátio, as sete capelas que abrigam obras de Aleijadinho em madeira. Cenas da Paixão de Cristo tão rais que impressionam!
Deixamos Congonhas às 16:30h com destino à Araruama. O horário de chegada estava previsto para 21h, mas devido ao engarrafamento monstro da manhã, só chegamos à Araruama à 1h da manhã. Um grupo ficou no centro da cidade e nós seguimos com o grupo que desceria em Iguaba. Descemos aqui na esquina. Largamos as malas na sala, tomamos banho e caímos mortos na cama!

E assim terminamos nossas férias de 2012!
As fotos eu estou colocando no album e assim que estiverem todas, eu aviso, tá?

Viajar é muito bom mas chegar em casa é muito melhor!



5 comentários:

✿ chica disse...

Puxa,só podiam cansar mesmo!! Não pararam nunca!! Que legal deve ter sido! Vale a pena e agora podes descansar bem !! beijos,adorei saber! chica

MARY disse...

Querida Tetê!
Realmente viajar pode ser maravilhoso,mas o melhor é chegar em casa!!!
E eu não tenho o pique que vc tem pra passar dias ,indo de uma cidade pra outra e visitando diversos pontos turísticos!!!
O máximo que faço é ir pra um hotel fazenda ,pra ficar só comendo e descansando!!!! Kkkkk!!!
Ótimo restinho de semana!
beijinhos,
Mary.

nadja disse...

Uauuu que delicia de tour em queridinha..nossa muito bom viajar....mas chegar na nossa casinha... é melhor ainda nê kkkkkkkkkkkkkkk ..e como é bom saborear coisas diferentes kkkkk bem queridinha feliz quintinha fique com deus !!

Orvalho do Céu disse...

Olá, querida
Nem te conto tudo do que vivi...
To doida pra chegar logo o dia 1... poder colocar os assuntos em dia...
Temos muito o que compartilhar pelo visto...
Passeou bastante, né???
Legal demais!!!
Bjs de paz

Ane disse...

Eita que apesar de todos os percalços(aprendi esta palavra agora,kkk)a viagem foi ótima,em?Tirando as ladeiras...As igrejas,comida mineira,gruta exótica...uia,bom demais!Tenho que dizer que concordo com vc,viajar é bom,mas chegar em casa de volta é fechar com chave de ouro!
Vi que vc colocou dois blogs em hiatus...Ainda bem que vc ficou com este e o manancial.Eu entendo vc,de vez em quando também me dar esta vontade de dar um tempo.
Beijos nas bochechas!